terça-feira, 21 de agosto de 2012

História, Monareta no Brasil.

A Monareta apareceu em 1967 / 68 (aproximadamente), e veio para quebrar a mesmice da Monark, com aro 26, nas versões masculina (com uma barra no centro) e feminina (sem a barra central). Dá para afirmar que ela foi criada para agradar, indistintamente, aos meninos e às meninas (publico infantil e infanto juvenil em crescente demanda ).


Monareta surgiu como reação da Monark ao sucesso estrondoso da Berlineta Caloi, lançada na mesma epoca (1967) ate meados da década de 70..., gerando uma briga de "quem é melhor?", tendo ambas,até hoje, seus fã-clubes.

Por volta de 1964-65 a Monark já estava há 10 anos fabricando bicicletas no Brasil. Tinha uma bem sucedida linha de produtos voltados para o público adulto, modelo masculinos e femininos, a maioria aro 28. Porém, acompanhando a sua maior concorrente, a Caloi - que lançava um novo modelo, de características infantis - a Monark lançava sua nova bicicleta voltada para o público infantil e para o lazer.


Era a Monark Monareta! Nome inspirado num ciclomotor da Monark dos anos 50. Chamada de modelo Gemini, nome das cápsulas espaciais da Nasa nas viagens à Lua, trazia um quadro semelhante à concorrente, Caloi Berlineta, com rodas aros 20 polegadas.

O mercado, porém, não correspondeu de início.

Era um produto à frente de seu tempo, pois na época o Brasil ainda não tinha a cultura das bicicletas voltadas para o lazer, fato que só ocorreria meia década depois, no florescer dos anos 70.


A Monark, entretanto, não se intimidou. Era uma gigante nacional e tinha vários sucessos emplacados junto ao público! Com um redesenho no quadro começou a agradar aos jovens e fazer sucesso. Logo vieram séries especiais: Brasil de Ouro, Olé 70, Águia de Ouro, Centauro; além de modelos com rodas menores e o famoso Dobramatic.

Em 1973 chegou a série Jet Black, na cor preta com detalhes cromados, como os pára lamas e cobre corrente. Tinha aparência de modelo mais luxuoso. A Berlineta também mudava, mas a Monareta tinha mais projeção junto ao público e crescia em vendas. Em 1976 sofria novo redesenho, principalmente na parte traseira, adotando perfil mais quadrado. Isso agradou muito ao público e trouxe novas séries: Kross e Kross II Luxo, A primeira com guidão ape hanger (seca sovaco) e a segunda com novos garfos duplos e guidoes.



Em 1980 a Monareta ganhava novo desenho, com uma traseira mais simples e limpa. Em 1982 ganhava pára lamas cromados de série, mas as vendas caíram.
Mesmo assim ,em 1983 ainda inovando surge uma versão tandem(com 2 lugares) ... algo bastante diferente e curioso em nosso pais .

O bicicross surgido nos anos 70 nos E.U.A. ,aparecia no Brasil e passava a captar mais a atenção dos jovens e das crianças, deixando a Monareta (e também a Berlineta da Caloi) com imagem de produto velho e ultrapassado.



A fabricação da Monareta seguiu até 1989/90, mas já sem a vitalidade de antes.
Saiu de linha melancolicamente. Passados tantos anos a onda do colecionismo de bicicletas antigas trouxe novamente a atenção sobre as Monaretas e Berlinetas, como símbolo dos anos dourados e da infância de milhares de pessoas Brasil .

E por incrível que pareça, essa bicicleta ainda é fabrica em alguns países da América Latina.




Fonte;
http://bikeveiaklub.blogspot.com.br/2011/01/monark-monareta-historia.html






Um comentário:

  1. eu não troco a minha monareta por nenhuma caloi de supermercado.

    ResponderExcluir